quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Permita-se! A palavra para 2017!!



Esse será o último post de 2016 e já faz um tempinho que não escrevo por aqui (e novamente vai entrar para a lista das metas a serem cumpridas no ano novo). :)

2016 não foi um ano bom. Não foi ruim, mas bom de todo não foi. Assim que 2017 está chegando e sobre ele ronda uma expectativa enorme e pensando sobre isso, sobre tudo o que vivi e tenho lido e visto acredito que a palavra para 2017 será PERMITA-SE.
Sim, precisamos nos permitir mais. Amo viajar, todos sabem disso, mas tenho visto muita gente  viajando, fazendo disso uma meta a ser cumprida, mas quando não está viajando sente que há um vazio, que falta algo e se está faltando algo na sua vida cotidiana é porque algumas escolhas não estão sendo feitas da forma correta. O que está faltando se permitir para que a sua vida, sua rotina, não seja tão chata assim?

Vamos falar de amor...não, vamos falar de relacionamentos. Tenho a sensação, que no mundo atual, os frascos bonitos são mais importantes que um bom perfume. Não que não o fosse antes, mas talvez esteja um pouquinho mais diante de tanta superficialidade. Estamos no século onde todos querem ser felizes e ponto! O que por si já é interessante já que a ideia de felicidade só surgiu no século XIX, juntamente com o banheiro e a criança/infância e estão amadurecendo entre erros e acertos.

Às vezes alcançamos tantas coisas, mas não nos sentimos felizes. Tem uma casa legal, um carro legal, uma família legal, um trabalho legal ou decidiu não ter nada disso e está super bem assim, mas, mesmo assim se pega se sentindo infeliz. Um exemplo disso é que o consumo de álcool e a depressão estão altíssimas entre pessoas que se consideram profissionalmente realizadas. Por que não me sinto feliz? Quantos de nós já não fizemos essa pergunta alguma vez na vida? Talvez precisemos somente permitir um pouco mais. 
Na maior parte do tempo estamos nos culpando por alguma coisa como acordar tarde, dormir tarde, etc.. Que tal permitir se sentir bem porque dormiu uns minutos a mais, por estar fazendo coisas que gosta e por isso se distanciou um pouco de algumas pessoas? É difícil, eu sei, tirar esse ranço da culpabilidade de simplesmente aproveitar o seu tempo para não fazer nada. Para sentir o prazer de ficar cinco minutos vendo a chuva cair ou para sentir o sol na sua pele. De deixar um trabalho de lado porque quer muito terminar um filme.
E como isso entra nos relacionamentos? As pessoas solteiras estão se permitindo pouco.  Terminamos a faculdade, a pós-graduação, somos profissionais, viajamos pelo mundo, escolhemos onde e como e quando queremos comer ou beber, mas na hora de conhecer alguém nos mantemos dentro de uma caixinha bem fechada, pois queremos o frasco mais bonito da prateleira como se ele fosse a melhor coisa do mundo. Será que é?

Vou dizer como cheguei a essa conclusão não tão brilhante assim. 
Neste ano fui apresentada a uma pessoa que à primeira vista minha vozinha superficial disse: “Não. Esse não”. No dia seguinte analisei a situação, a amiga que nos apresentou me disse que tínhamos muitas coisas em comum e percebi que aquela voz tinha dado essa resposta em reação a um padrão que insistimos em seguir, seja esperando pelo mais bonito seja o que mais gostamos e achamos que não podemos nem devemos mudar de perfil. E então ao perceber isso, esse pré conceito, olhei-me no espelho e vi uma mulher que há cinco anos era completamente diferente da que eu vejo agora. A de agora está mais gordinha, mais experiente, mais sábia, mais paciente em algumas situações e intolerante e chata em outras. Eu mudei e com certeza aquele homem a quem eu fui apresentada também era diferente há alguns anos. Foi assim que permiti dar uma chance aos dois, afinal o conhecimento é sempre mútuo e descobri nele uma pessoa super agradável, bem humorada, inteligente e super família. Não deu em nada, porém, o fato de perceber o que eu não estava fazendo nos deu a opção de darmos alguns passos.
Ao passar dos 30, 35, temos que aceitar que cada pessoa tem a sua história de vida. Já não somos adolescentes com um mundo para descobrir. Já sofremos, amamos loucamente, tivemos desilusões, arrependimentos, paixões alucinantes, já amamos tanto que pensamos nunca mais voltar a amar assim e talvez não voltemos mesmo, afinal, depois de três décadas de vida, e ainda solteiros, já tivemos tempo suficiente para saber que cada amor é muito particular. Por que não dar uma chance àquela pessoa que está interessada em você mesmo que ela não seja o seu tipo? Quantas vezes nós não somos o tipo de alguém, não é mesmo? De repente, ao sair com essa pessoa, ao se permitir aceitar o interesse de alguém, ela pode te surpreender e você pode acabar se encantando com o sorriso, com a voz, com algum trejeito, com a simpatia, com o humor, com o sarcasmo, com a inteligência, com a forma de beber o vinho ou a cerveja, com a conversa, enfim....você nunca vai saber se não se permitir conhecer o outro e com isso permitir que ele o conheça melhor também.
Dois amigos queridos se conheceram e eles tinham tudo o que cada um gostava. Fisicamente eram o tipo um do outro, a história familiar, os mesmos gostos, a conversa fantástica e então se beijaram e bum! Acabou o romance. Não existia a menor química entre eles. Ainda tentaram uma, duas vezes mais, porém perceberam que não existia a atração física que eles pensaram sentir, mas restou uma linda amizade. Esse é um exemplo para ver que nem tudo o que pensamos querer como um molde pré-definido é o que vai funcionar.
Isso também serve para as amizades. Permita-se a se afastar de pessoas que não acrescentam nada na sua vida. Permita-se curtir o que você quiser fazer sem culpas. Permita-se dizer não quando não estiver afim de algo. Permita-se dizer sim para algumas situações mesmo que elas fujam do seu controle.
Neste século, estamos - como a humanidade em séculos anteriores - nos adaptando às mudanças e elas podem demorar e precisarem de reajustes, então porque achamos que não podemos mudar nossos gostos, nosso tempo e a nossa maneira de aproveitar ou até mesmo de criar as oportunidades? Nós podemos. Cabe a mim e a você PERMITIR que algumas coisas aconteçam.
Bem, 2016 só falta você nos dar tchau e permitir que 2017 venha com tudo para todos nós. 
Permita-se. Permita-se. Permita-se. Temos 12 meses para permitir muitas coisas em nossas vidas. Eu já comecei e você?

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Mochilando e descobrindo um país chamado Peru.

Oi,
Já faz algum tempo desde o meu último post. Porém, há uma boa razão para isso! Estava organizando minha próxima viagem de mochila e acabei de voltar do Peru.
Primeiro aviso: não fui à Machu Picchu. Sei que muitos pensam Peru como sinônimo de M.Picchu, mas como tive que explicar muitas e muitas vezes: nunca tive vontade de ir até lá. Talvez algum dia, já que quero muito conhecer Cusco e o Vale Sagrado e nessa viagem não deu tempo.
Segundo aviso: seria muito bom que as pessoas lessem sobre o Peru antes de irem até lá. Confesso que conhecia muito pouco sobre o país e descobri que amigos e alguns alunos desconheciam ainda mais. Cheguei à conclusão de que as pessoas somente falam de M.Picchu e do Império Inca e por isso tudo o demais fica em segundo plano. Por isso, para mim, o ponto forte da viagem foi descobrir um país cheio de vida, com pessoas muito gentis e simples, mas que também estão muito presos às histórias de grandes civilizações que há muito deixaram de existir . 
Um país onde a pobreza é visível em todos os lados seja pela situação econômica da maioria seja pela paisagem desértica. O país é um grande deserto. Sim, deserto de verdade! A água das grandes cidades desce das serras e podemos sentir ao tomar banho que a água que sai do chuveiro vem de um lugar onde o clima desértico impera.
Um país com ruínas e repleto de grandes tesouros: no norte do país há diversos lugares históricos para serem vistos como a segunda maior cidade de adobe do mundo: Chan Chan, as ruínas das Huacas da Luna e do Arco-Íris, o inigualável Museu da Senhora de Cao que mostrou ao mundo que algumas civilizações antigas do Peru não tinham como líderes somente homens e a Tumba do Senhor de Sipan, que é uma descoberta arqueológica que se iguala em importância somente à famosa tumba de Tutancâmon no Egito. Além de Huaráz, na Cordilheira Branca, o lugar mais frio do país com grandes geleiras, lagos e picos nevados.
Na vibrante capital Lima, há diversos sítios arqueológicos dentro da cidade, nos arredores e em cidades vizinhas como Caral e Pachacamac. Indo ao sul temos Ica, Paracas, Nasca e suas enigmáticas linhas, Arequipa, Cusco, etc. O que não falta é o que fazer.
Nesta minha mochila foram 13 dias ao total conhecendo Lima, Trujillo, Praia de Huanchaco - onde dizem que nasceu o surf, Ica e seu Oásis de Huacachina e Nasca.
Foi um verdadeiro mochilão: organizado e gastando muito pouco.
O total da viagem por pessoa agora em Agosto de 2016, sem a passagem rea, foi de:
1.983,60 Novos Soles equivalente a:
599,30 Dólares (câmbio a 3,31) 
2.230,00 Reais (câmbio a 0,89)
12.460 Pesos Argentinos (câmbio a 6,28)
Para as pessoas que viajam de outra forma, que se hospedam em hoteis, que somente comem em restaurantes mais bonitos, etc, devem no mínimo triplicarem esse valor.
Para a hospedagem usei Couchsurfing e hostels. E viajei de ônibus de uma cidade a outra, algumas vezes à noite economizando assim na hospedagem.
Nos próximos posts falarei um pouco mais de cada lugar onde fui, várias dicas e do Peru que fui descobrindo a cada dia.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Buenos Aires e o bairro de Almagro.

Esse é um post diferente. 
Pedi a um grupo de alunos que estão terminando o primeiro nível de português na Casa do Brasil a produção de um texto sobre algum lugar da Argentina que eles gostariam que um turista conhecesse e que saísse do tradicional circuito turístico e que o melhor texto seria publicado aqui no blog. 
O texto vencedor foi da Rubí Posso que escreveu sobre o bairro de Almagro onde ela mora e um dos bairros que guarda algumas boas surpresas aos moradores e aos turistas também. Ao término do texto colocarei mais algumas dicas de lugares aonde ir.

Meu bairro Almagro por Rubí Posso.

"Cheguei a Buenos Aires faz dezoito anos e todo esse tempo morei em Almagro. É um dos bairros mais tradicionais da cidade de Buenos Aires, é vinculado com o tango e às típicas cafeterias portenhas. Está fundamentalmente habitado por pessoas de classe média, com uma alta densidade populacional que cresceu com a construção gradual dos prédios de apartamentos altos.
A Praça Almagro é a única praça do bairro. Tem um Monumento à Bandeira inspirado por um projeto do arquiteto Alejandro Varangot. Ao lado deste monumento está uma escultura composta de duas figuras: um homem tocando flauta e uma mulher dançando.
El Fauno de Cézar Sforza, 1930.
Na esquina das avenidas Rivadavia e Medrano está "Las Violetas", uma casa de chá, fundada em 1884 e onde a atmosfera do passado permanece. Outra cafeteria tradicional é o "El Banderín" localizada na esquina de Guardia Vieja e Billinghurst, fundada em 1929. Na rua Guardia Vieja, 4049 está a "Casa do Tango", onde há um museu, uma biblioteca, uma sala de vídeo, uma sala de aula e uma cafeteria-discoteca. Também está a Universidade de Tango, rua Agrelo, 3231. E a União Argentina dos Músicos cujo auditório tem o nome de Astor Piazzola na avenida Belgrano.
A Universidade Tecnológica Nacional, a faculdade onde eu fui, já treinou mais de 37000 engenheiros e tem mais de 700,000 estudantes em 27 locais em todo o país. Ela está localizada na av. Medrano, 951''.

Além dos lugares citados no texto, acrescento para quem gosta de tango, e de um lugar bastante retrô, ir à Catedral do Tango na rua Sarmiento, 4006. Chegando às 20h ou 21h entre sexta e domingo poderá pagar a entrada com direito a uma aula de tango, mas se quiser apenas apreciar os dançarinos enquanto come uma picada vegetariana e barata e bebe um vinho poderá pagar somente o valor da entrada.
Ao redor da Praça Almagro há alguns bons bares que vale a pena ir para beber e comer entre amigos, entre eles o tradicional "Boliche de Roberto" que é um lugar bem pequeno, apelidado carinhosamente por alguns de "el infiernito de Buenos Aires" e que todo bom boêmio de Buenos Aires já foi ao menos uma vez.
Para chegar ao bairro podem utilizar vários ônibus que partem dos mais diversos pontos da cidade (como o 15, 26, 146, 115, 02, 103, etc) ou o metrô, bastando pegar a linha A e descer na estação Castro Barros ou pela linha B e descer na estação Medrano.

Bem, espero que tenham gostado do texto da Rubí e de saber que existe mais um bairro para colocar na sua lista quando vir para Buenos Aires e se já conhece e quer nos deixar dicas de mais lugares deixe seu comentário.

domingo, 19 de junho de 2016

Buenos Aires...coisas com as quais nos acostumamos.

Morar em outro país nos faz conhecer e conviver com muitos novos aspectos e destes alguns são legais e outros...bem, simplesmente nos acostumamos.
Este é um post sobre algumas coisas que encontro em minhas andanças pela cidade e que são diferentes do Brasil e selecionei dez.
Primeiro:
Aqui existe um profissional que não temos no Brasil: o sodeiro. É comum por aqui consumir Soda, que nada mais é que água potável, engarrafada com gás. A princípio eu somente a encontrava nos cardápios dos restaurantes e chama a atenção porque é bem barata. No entanto, com o tempo passei a ver essas garrafinhas nas portas e nas mesas nos almoços de domingo.


Segundo:
Conseguem imaginar os profissionais do Jornal Nacional bebendo café/chá e comendo biscoitos ao vivo? 

Terceiro: 
É muito comum encontrarmos essa ducha japonesa para a higiene em muitos banheiros dos estabelecimentos já que em muitas casas existem os bidês.

  Quarto:
Por causa do clima frio em muitos lugares abertos existem aquecimentos. Nesta imagem, no teto há um grande tubo que mantém essa área aquecida o suficiente para que possa abrigar pessoas em qualquer época do ano.

  Quinto:
O governo está comprando novos vagões de metrô, no entanto ainda é possível encontrar muitas coisas interessantes nos metrôs de Buenos Aires como esse que tinha lâmpadas e lustres ou descer numa estação onde os degraus da escada rolante são de madeira.

  Sexto: 
Encontrar a bandeira da Argentina em todos os lugares da cidade e não somente na época da Copa do Mundo.

 Sétimo:
A mudança das estações do ano são visíveis e o outono é uma das mais bonitas! É muito lindo caminhar pelas ruas da cidade cheias das folhas caindo e dando lugar ao inverno.
Oitavo:
Admirar os murais que estão  em todas as estações de metrô da cidade e não ficar somente usando o Wi-fi delas.
Nove:
Encontrar imagens, frases e todos os tipos de referência à Eva Peron em todos os lugares.

Dez:
Acostumamos a ligar a tevê quando acordamos para ver principalmente duas notícias: a sensação térmica (no outono e inverno é obrigatório) e como sempre tem alguma manifestação, protesto, marcha ou greve (paro) pela cidade que complica bastante o trânsito, é bom saber qual é o problema do dia e onde.
E você? Já se acostumou com tudo isso? Deixe o seu comentário. :)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Viajando, conhecendo e gastando pouco em Buenos Aires: Microcentro.


Você quer viajar para Buenos Aires e gastar pouco? Não importa se é uma viagem tipo mochilão ou simplesmente econômica, vou deixar algumas dicas aqui.
Quando voltei das minhas férias neste janeiro de 2016 voltei de ônibus para Buenos Aires. Para quem não sabe tem duas empresas que fazem essa viagem e ambas partem do Rio de Janeiro e de São Paulo. São JBL Servicios (antiga Pluma - 38h) e Crucero del Norte (32h). A primeira é 100 a 150 R$ mais barata que a segunda porque não tem nenhum serviço incluído, mas oferece água e é bem pinga-pinga mesmo. Super recomendo a Crucero del Norte, tem serviço de comida, travesseiro, cobertor, filmes todo o tempo e poucas paradas e dificilmente atrasa. De SP, ambas partem à noite da Rodoviária Tietê. De Buenos Aires elas partem do Terminal Retiro também à noite.
Ao chegar via bus é preciso sair do Terminal e seguindo à direita vai encontrar o Subte (metrô). Verão que em frente está uma rodoviária de ônibus, mas agora SOMENTE é possível pagar os ônibus com o cartão SUBE. Desde novembro de 2015 é a única forma de pagamento. Por isso sugiro ir ao subte ou pegar um táxi, pois poderá comprar a passagem de metrô na bilheteria e/ou o táxi com dinheiro também. 
Ah, também descobri que no Terminal Retiro existem dois caixas eletrônicos, mas nenhum deles é internacional e não existe casa de câmbio. No entanto, se estiver precisando comprar algo de pesos argentinos, vá nos guichês de empresas internacionais no final do corredor, as que vendem viagens para o Brasil, Chile, Paraguai, Uruguai e Bolívia, pois estão autorizados a fazer câmbios de pequeno valor.
Depois de instalado, recomendo procurar uma banca de jornal ou quiosque. Neles está um cartaz informando se eles vendem a Sube e poderá adquirir um por 30$ e depois ir carregando nas máquinas espalhadas em vários quiosques pela cidade.
Para quem procura indicações de hostals, sugiro alguns no centro na calle (rua) Maipu e na Av. Corrientes, perto do Obelisco e da calle Florida. Em San Telmo e Palermo também há diversos hostals, sendo que os de Palermo são mais caros e os de San Telmo têm mais festas para os que querem fazer amizades mais rápido.
Ok, vou falar agora de como conhecer os principais pontos turísticos usando o transporte público e as pernas. Sim! Pernas! Buenos Aires, a capital, é bastante compacta, a maioria dos pontos turísticos é gratuita e poderá fazer muito apenas caminhando.

Conhecendo o Microcentro Portenho em um dia.
Imaginando que está em San Telmo, recomendo para o primeiro dia subir pela calle Defensa, ver todos os casarões antigos, as lojas de autor com roupas únicas e cheias de personalidade. Se continuar subindo vai sair em frente a Plaza de Mayo. Se estiver em outro ponto do centro e tiver ido direto à Plaza de Mayo poderá seguir a partir daqui o que percurso que vou passar. 
Além da praça, terá a famosa Casa Rosada, onde poderá conhecê-la de forma gratuita; a Catedral Metropolitana, o Cabildo e se continuar pela Av.de Mayo poderá tomar um café num dos antigos café da cidade, o Café Tortoni, e seguindo por aí, atravessará a Av. 9 de Julio e se quiser continuar caminhando 15 minutos depois chegará no belíssimo edifício do Congresso Nacional (para mim o mais bonito da cidade). Preste atenção nesta praça do Congresso, porque além do lindo chafariz, há uma réplica da escultura "O Pensador" de Rodin. E não é qualquer réplica. Somente foram feitas três réplicas do molde da escultura original e essa é uma delas.
Se gostar de cinema, aí na frente da praça tem o cinema Inca Gaumont, que apenas passa filmes nacionais a preços muito populares e do lado tem uma doceria ótima e ao lado dela, já na esquina com a Av. Callao, uma ótima pizzaria onde poderá comer em pé no balcão se quiser (adoro essa possibilidade). 
Se continuar pela Av. Callao verá vários cafés, edifícios antigos, alguns infelizmente em mal estado e em menos de 10 minutos chegará na Av. Corrientes, a mais famosa da cidade. Ao chegar aí e olhar para a sua direita verá o Obelisco, então é só seguir a avenida até ele e se deliciar no caminho com as diversas livrarias, o Paseo de la Plaza que é um excelente lugar para comprar o ingresso para alguma das inúmeras obras de teatro que ele oferece. Principalmente stand up. 
Depois das livrarias estão vários teatros, sorveterias, cafés como El Gato Negro, La Giralda, El Vesúvio e a mais famosa pizzaria da cidade: a Guerrin. Se parar na Guerrin e quiser se sentir um portenho faça o pedido clássico: empanada frita, uma porção de pizza de muzzarela (tem que ser de muzza, é a melhor) e de sobremesa uma sopa inglesa (achou estranho? não se preocupe pois apesar do nome nada mais é que uma torta de baunilha recheada com doce de leite, com chantilly por cima e tudo isso bem molhado num bom xerez). Vai por mim: vai amar!
Depois dessa farra na Guerrin basta seguir até o Obelisco e vai encontrar várias estátuas divertidas pelo caminho de personagens da cultura argentina.
Depois das fotos caminhe até a calle Florida e então vá descansar um pouco onde quer que esteja se hospedando.
Também pode deixar para ir à Guerrin se tiver comprado algum ingresso para o teatro à noite.
Bem, mas e se você estiver fazendo esse percurso e bateu aquela fome na hora do almoço, opções há muitas entre a av. Callao e Corrientes e todos os cafés e restaurantes têm seus menus expostos na porta. Preste atenção se aceitam cartão ou se somente dinheiro (efectivo). Por causa da alta inflação que temos, a maioria dos estabelecimentos já não aceita cartão. Fique de olho nisso para não correr o risco de ter que ir atrás de um caixa eletrônico depois de receber a conta para conseguir pagar a conta.
Se não comprou o ingresso ao teatro e já tiver ido à Guerrin durante o dia, sugiro nesta primeira noite aproveitar mais da cidade e ir jantar em Puerto Madero. Além de ser um lindo bairro para apreciar a noite, tem restaurantes para todos os gostos e bolsos e ainda o Casino para tentar ganhar uma graninha. 
Bem, para a parte central acho que já está muito bom. E viu só? Até aqui não precisamos utilizar nenhum meio de transporte a não ser as pernas.
Espero que gostem desse post. Nos próximos, darei as mesmas dicas para outros bairros para que possa gastar pouco, conhecer muito e aproveitar cada segundo.
Saludos.


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Europa: Conhecendo e economizando em Madri.

A vida na internet pode nos trazer algumas surpresas muito legais. Uma delas eu tive quando conheci, através do Blog Brasileiras Pelo Mundo, a Juliana que mora em Madri. Entre conversas e posts ela perguntou se eu não gostaria de fazer um intercâmbio entre os blogs e eu topei na hora. O resultado: tem um post meu sobre a Noite dos Museus em Buenos Aires no blog dela (leia aqui), já que ele tem um teor mais cultural e pedi para ela um post sobre lugares econômicos para se conhecer na capital espanhola já que sempre dou dicas para aproveitar a viagem sem gastar muito.
Eu ainda não estive na Espanha, mas com certeza vou aproveitar todas as dicas que a Ju está nos dando aqui.

Vamos a Madri com Juliana Bezerra!
Vibrante, cheia de história, com uma noitada maravilhosa: não faltam motivos para visitar Madri. A cidade guarda boas surpresas para qualquer perfil de viajante, especialmente aqueles que viajam com o dinheiro contado. Por isso, indico algumas atrações que são obrigatórias na capital da Espanha que abrem gratuitamente em certos horários ou que já são de graça naturalmente.

Parque do Retiro – o maior parque da cidade tem esculturas, estanque onde é possível passear de barco a remo e três espaços dedicados a exposições de arte. Sem falar na natureza incrível, nos artistas que se apresentam para crianças e adultos. Os quiosques no interior do parque são caros, mas o visitante pode passar no supermercado antes e fazer um belo piquenique nos meses de calor. Metrô Retiro, L2.

Museu do Prado – a fabulosa coleção de artes espanhola é uma das mais importantes do mundo. Não visitá-la é uma pena, como ir a Roma e não ver o Papa, ir ao Rio e não visitar o Cristo. A boa notícia é que ele abre gratuitamente todos os dias de 18h às 20h e sábados, domingos e feriados de 17h às 19h. https://www.museodelprado.es/pt/visite-o-museu/

Mas bateu aquela fominha depois de tanta arte e caminhar...

Bem, dois endereços para a turma dos trocados contados que faz o maior sucesso por aqui são o Cien Montaditos, a Cervejaria La Sureña e o Lizarrán. Com um estilo do jeito “faça e pegue seu pedido”, jarra de cerveja a 1 euro, o local é o preferido dos universitários e estudantes em geral. Com a mesma filosofia está a Cervejaria La Sureña, onde é possível degustar sanduíches e cerveja barata. Já o Lizarrán serve pinchos com preços razoáveis em comparação com os restaurantes especializados do gênero. Não se preocupem que estes restaurantes estão por todas as esquinas de Madri!

Chocolate!

Em homenagem a minha querida Ina de Oliveira não poderia deixar de incluir a loja da chocolateria Valor. A empresa é um café e serve lanches deliciosos e tem sua própria marca de chocolate. Deliciosos e embalagens incrementadas, a Valor é tradição na Espanha e é um sucesso entre os turistas. Calle Conde de Penalver, 43. Metrô Lista, L4.
Estão vendo essa foto? Esse é um dos pratos do Cien Montaditos que ela indicou e eu fiquei morrendo de vontade de ir até lá desmontar esse prato. Quando eu for atualizarei as fotinhas e direi se é tão gostoso como aparenta ser, tá?! :)
Mas, por enquanto, se quiser saber mais sobre a Espanha super recomendo dar uma passadinha no blog Rumo a Madrid.
Até o próximo post.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Europa no Inverno 07: Londres



Vamos falar de Londres  
Para começar: guarda-chuva na bolsa. Sempre!!
Para continuar: é uma cidade cara! Muito cara. Pagar em libras/pounds acaba com qualquer matemática que alguém tenha aprendido na escola, essa é a mais pura verdade. E digo isso porque fui bastante preparada, já sabendo de muitos preços e tal, mas mesmo assim a realidade foi incrível.

Então, como fazer para economizar? Vou te dar uma super ajuda de verdade, pois encontrei caminhos online para economizar que não encontrei em nenhum outro blog ou site de dicas para Londres, foi realmente o meu esforço de entrar nos sites ingleses e sair garimpando até encontrar coisas muito legais.

Muitos já devem ter lido e por isso sabem que os museus de Londres são gratuitos. Porém, as atrações pagas são realmente caras. O jeito é encontrar descontos ou organizar muito bem a sua viagem e comprar atrações combinadas. Estas são ótimas e muitas vezes são quase duas atrações pelo preço de uma.

Agora, independente de ser combinada ou não, se você quer uma atração paga e não quer ficar arruinado/a vou lhes contar o melhor achado do mundo. O site: https://www.365tickets.co.uk/

Os preços desse site são incríveis!!! E vendem não apenas ingressos de atrações turística como também de shows e teatros. Você pode procurar nos sites das atrações e em qualquer outro lugar e nada concorre com este site. Só por isso eu já merecia ganhar uma grana por escrever no meu blog. Mas como a intenção é que os viajantes queiram aproveitar como eu, entre neste site e compre tudo o quiser sem doer no seu bolso. Comprei os tickets para o Museu Madame Tussauds e da Torre de Londres pelo menor preço existente neste site. A única coisa é que você precisa ser bem organizado porque na hora de comprar é preciso já fazer a reserva com data e hora.
 
Torre de Londres

Outra dica legal é que se você tiver algum contratempo e precisar de uma hospedagem urgente no meio da madrugada e não tiver nenhum hostel por perto vá até a Victoria Station. Na rua ao lado dessa estação estão diversos Bread and Breakfast, um ao lado do outro, dos dois lados da rua com preços bem razoáveis. Uma coisa que descobri aqui também é que em Londres, depois da 1h da manhã esses B&B fecham. Todos têm uma placa na porta informando que estão fechados. Os  poucos que atendem 24h têm um quarto de emergência onde os viajantes podem pagar apenas pela cama como num hostel ou albergue, algo em torno de 25 libras. E nestes B&B o check-out é cedo, às 9h já tem que estar saindo.


Não fique obcecado com os trens! Os ônibus podem sair mais baratos. Fomos de Brugge, na Bélgica, para Londres de ônibus e a única linha que faz esse trajeto internacional, passando pelo Eurotunnel é a Eurolines e consegui uma suuuper promo e as duas passagens saíram por apenas 13 euros!! (Imagine: 6,50 euros cada com direito ao seguro por cada bagagem!!)

De Londres para Amsterdam, fomos com o ônibus da National Express e também com promo as duas passagens foram 54 Libras.

Quanto ao transporte público londrino é ótimo. Os ônibus vermelhos, um charme à parte, podem ser pagos com moedas. Quando entrar basta dizer aonde vai ou diretamente o valor (no ponto de ônibus tem o itinerário com os valores) e entregar as moedas ao motorista que vai te entregar o ticket e aproveitar a viagem pelas ruas da cidade. Quanto ao metrô, se for ficar menos de 4 dias é melhor comprar nas máquinas os tickets com duração de 12h e assim poderá entrar e sair de qualquer metrô quantas vezes quiser. Esse custava, em fevereiro de 2014, 8,90 libras.
Se precisar de alguma informação os guardas nas estações de metrô são super solícitos e educados. A boa e polida educação britânica é um prazer à parte. Aprecie!

Para ir ao Studio do Harry Potter, tem que fazer a reserva online. Não tem promo, mas comprando com antecedência pode sair alguns pounds mais barato. O valor foi de 30 Libras por pessoa. https://www.wbstudiotour.co.uk/
Fizemos o tradicional Chá da Tarde (Afternoon Tea) no Millestone Hotel (http://www.milestonehotel.com/food-and-drink/afternoon-tea)
Super recomendo. Foi tudo impecavelmente perfeito. Pelo site deles é possível ter acesso ao menu, gastei 35 libras pelo menu de chá e a minha amiga 40 libras porque pediu o menu com champagne.
Vista da Tower Bridge de dentro da Torre de Londres.
 Espero que aproveitem estas pequenas, mas preciosas dicas.